quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Últimos dias para as inscrições ao Prêmio de excelência gráfica fluminense Werner Klatt

Parceria entre sindicato das Indústrias Gráficas do município do Rio e SENAI Rio, premiação contempla dez segmentos gráficos. Prazo de inscrição termina no dia 25

O prazo para as inscrições ao prêmio Werner Klatt de excelência gráfica, que reconhece as melhores empresas do segmento gráfico fluminense, se encerra nesta segunda-feira, dia 25. Iniciativa do sindicato das Indústrias Gráficas do município do Rio (Sigraf) em parceria com o SENAI Rio, a premiação avalia pilares técnicos e tecnológicos, que sustentam os segmentos da indústria gráfica regional. “O prêmio Werner Klatt tem a função de mostrar que a nossa indústria tem qualidade e tecnologia para fornecer qualquer tipo de impresso – desde uma folha de papel simples a um catálogo de arte”, diz o presidente do Sigraf, Carlos Di Giorgio

Serão contemplados dez segmentos - livros, revistas, jornais, acondicionamento, promocional, comercial, impressão serigráfica, impressão híbrida, impressão digital e produtos próprios -, desmembrados em 47 categorias. Todos os produtos gráficos produzidos no estado do Rio entre 31 de agosto de 2016 até a data limite da inscrição podem concorrer nesta edição. 

Em sua 14ª edição, um dos pontos principais da premiação é fortalecer e valorizar a indústria gráfica do Rio de Janeiro. A premiação procura estimular a cadeia produtiva dos segmentos que representa, permitindo aos profissionais e estudantes uma visão mais ampla do setor, vislumbrando a diversidade de produtos e o alto valor agregado às muitas cadeias industriais que o setor gráfico integra.


O regulamento e as fichas de inscrição para empresa e para produto estão disponíveis no site do Sigraf ( wwwsigraf.org.br )  ou podem ser solicitadas pelo e-mail adm@sigraf.org.com. 

A cerimônia de premiação ocorre em 27 de outubro, na sede do Sistema FIRJAN, no Centro do Rio. 

terça-feira, 19 de setembro de 2017

WestRock construirá fábrica no Brasil

A WestRock anunciou planos para construir uma nova fábrica de embalagens de papelão ondulado no estado de São Paulo para atender a demanda crescente de seus clientes na América do Sul.

“O negócio de papelão ondulado da WestRock no Brasil continua a ter um ótimo desempenho, por meio de forte relacionamento com nossos clientes em mercados atrativos e em crescimento” comenta Steve Voorhees, chief executive officer, WestRock.

“Nossa nova fábrica de embalagens de papelão permitirá que nosso excepcional time do Brasil sirva esses clientes ainda melhor no futuro, com instalações de última geração que proporcionarão novas capacitações e eficiência, além de integrar ainda mais o papel que produzimos no Brasil”, diz Steve.

A nova unidade estará localizada em Porto Feliz e servirá a todos os segmentos da indústria e mercados, tanto na região altamente desenvolvida de São Paulo quanto em outras áreas em crescimento da região sudeste. A construção deverá iniciar ainda este ano, com previsão de conclusão para meados de 2019. 


Quando em operação, a nova unidade de Porto Feliz substituirá a operações da unidade de Valinhos. A nova planta será integrada com as operações florestais WestRock e a Fábrica de Papel de Três Barras, SC e aumentará o consumo de HyPerform, a linha de papéis de alta performance da empresa.

Saraiva faz parceria com Mercado Livre para venda de livros

Rede terá uma loja oficial dentro do site de comércio eletrônico, onde anunciará mais de 20 mil livros

A Saraiva, uma das maiores redes varejistas de educação, cultura e entretenimento, anuncia parceria com o Mercado Livre para a venda de livros nacionais e internacionais que integram seu acervo. O objetivo é ampliar o alcance de sua oferta ao público a partir de um canal de vendas que representa a maior audiência online do Brasil, composta por mais de 50 milhões de usuários por mês. Esses clientes que sempre acessam o Mercado Livre poderão, a partir de agora, encontrar títulos de livros que antes não estavam disponíveis.

Com este novo canal de vendas, a loja oficial da Saraiva reforça seu compromisso de incentivar a leitura ao disponibilizar um acervo de mais de 20 mil livros de literatura nacional e em língua estrangeira. Ainda na loja (https://loja.mercadolivre.com.br/saraiva), os usuários terão acesso à diversas ofertas com mais de 40% de desconto. A seleção dos produtos e o processo logístico são de responsabilidade da Saraiva, contando com a expertise da rede neste tipo de operação.

“Hoje, a cada quatro livros adquiridos no Brasil, um é comprado na Saraiva, seja em nossa rede de lojas ou no site de e-commerce. Tendo em vista o amplo sortimento de itens comercializados pela rede, nossa expectativa é aumentar as categorias de produtos disponíveis em nossa loja online dentro do Mercado Livre, como artigos de papelaria e o Lev, e-reader da Saraiva”, conta Adriano Tavollassi, diretor de e-commerce da Saraiva.

O Mercado Livre é o maior e mais completo marketplace da América Latina, com 191 milhões de usuários e mais de 9,4 milhões de vendedores, incluindo mais de 600 lojas oficiais no Brasil (grandes marcas e varejistas), como a Saraiva. No segundo semestre do ano, o marketplace do Mercado Livre atingiu a marca histórica de 65,1 milhões de itens vendidos em toda a América Latina.


“Uma parceria como essa vai fortalecer a atuação do Mercado Livre no segmento literário, além de possibilitar aos clientes da plataforma mais um canal para compra de produtos da Saraiva. A Saraiva é um nome de grande peso entre as lojas oficiais que integram o marketplace do Mercado Livre”, comenta Cristina Farjallat, diretora de Marketplace do Mercado Livre.   

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Disruptivo porque sim




Evento discute soluções para apresentar inovação disruptiva. Mas será que o  disruptivo é a inovação?  

Por Fábio Sabbag - editor da Revista Graphprint  

Para compartilhar conteúdo sobre inovação tecnológica, a Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG) e a APS Feiras promoveram o Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica, evento realizado no dia 24 de agosto, no Espaço Milenium, em São Paulo. Mais de 200 profissionais do segmento de comunicação impressa marcaram presença para entender a visão de especialistas e compartilhar conceitos de inovação com o mercado.

"A partir do início do evento e até o final da última palestra, recebemos um feedback crescente e positivo de diversos participantes sobre o acerto na grade de temas e abordagens apresentadas nas palestras, permitindo assim momentos de reflexão sobre os reposicionamentos necessários de nossa indústria, tanto nas questões estratégicas quanto nas mercadológicas. Por fim, ficamos com a certeza de incluir o congresso de forma permanente no calendário de nosso setor”, diz Francisco Veloso Filho, presidente da ABTG.

Ressoante em diversas palestras, o termo, ação ou circunstância conhecido como disruptivo foi a bola da vez durante o dia. Trata-se de uma pequena palavra que (ainda) não existe na língua portuguesa, mas que tem transformado o mercado e as relações empresariais em todo o mundo:  disrupção. O termo, que foi criado pelo professor de Harvard Clayton Christensen, é utilizado para descrever inovações no mercado, nos consumidores e, consequentemente, nas empresas e na forma de se relacionar com os colaboradores. É uma mudança geral de comportamentos.

Note, porém, que ser visto como disruptivo exige disposição, talento e ousadia. A atmosfera do congresso, neste sentido, acabou criando um elo robusto para que a fase disruptiva entre no mercado gráfico de vez. É certo que as pessoas, que tiveram a oportunidade de acompanhar as palestras, ministradas por estrangeiros e brasileiros, buscavam o sentido da inovação. Cabe agora fazer a lição de casa, sair do lugar-comum. 


Observe que de uma forma simples, porém funcional, o ato de ser disruptivo é encarado como algo inovador que na prática derruba barreiras tecnológicas e abre fronteiras criativas. Trata-se de um palco livre para a troca de ideias, fundamentadas em conceitos sem grandes pragmatismos e com foco na customização. Durante o Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica, a indústria gráfica foi convidada a semear projetos e atitudes que podem, num presente rápido, virarem disruptivos. E agora? Sua empresa está preparada para entrar nesta plataforma plural e tangível?

Logo na primeira apresentação do evento, Andreas Weber, presidente da Value Academy (consultoria estratégica para negócios em comunicação) foi a fundo para falar sobre “Inovação tecnológica e inovação de Marketing – Gestão da tecnologia para responder às tendências de mercado”. “Investir em tecnologia somente é perigoso. É preciso inserir e explorar o poder da inovação dentro da empresa. Sem foco é complicado trabalhar, o conhecimento leva ao comprometimento. É preciso criar projetos em conjunto com os clientes e aceitar o desafio de aprender com os melhores. Para transformar o seu negócio é preciso modificar a sua postura criando demandas para necessidades específicas. A empresa precisa ser multicanal, compartilhando mensagens relevantes, porém simples nas redes sociais”, disse Weber.

Na sequência foi a vez de Emilio Corti abordar o tema “Tendências Tecnológicas no segmento de embalagens”. Corti é executivo de marketing e vendas da Bobst desde 2003 e diretor mundial da unidade de negócios de equipamentos a folha e membro do conselho de administração do grupo. Foi também diretor da Bobst América Latina e gerente geral da Veja, nos EUA, empresa italiana fabricante de equipamentos para conversão de cartões e ondulados, além de ex-professor visitante na Universidade de Bologna. Segundo o palestrante, o setor de embalagens apresenta indicadores de crescimento em países menos desenvolvidos e novos materiais estão sendo estudados para alcançar o modo sustentável. “Há uma pressão maior sobre os donos da marca para melhorarem o ‘shelf appeal’ do produto que está conduzindo o desenvolvimento das técnicas e tecnologias de impressão entre os convertedores. O uso de cores e uma gama maior de acabamentos encorajam novos cenários dentro do setor de embalagens, além dos desafios de impressão, como ‘wash boarding’. Neste caminho, o processo de rotogravura vai perder espaço para lito e flexo. Há ainda claros indicadores de crescimento da impressão digital dentro do setor de embalagem”, disse, entre outros vários pontos discutidos, Corti.

Ainda de acordo com Corti, a embalagem pronta para o varejo é uma tendência nos EUA. O executivo da Bobst ressaltou ainda que as regulamentações estão cada vez mais exigentes sendo que a impressão e o acabamento terão de atuar de acordo com as regras.
Antes do almoço, Sandro Sandro J. Cardoch, engenheiro, empresário e mentor, com mais de 20 anos de experiência em um amplo espectro de aplicações industriais, falou sobre “Alternativas para produção de rótulos e etiquetas de alta qualidade”. O diretor comercial para a América Latina da Smag Graphique trouxe ao congresso as técnicas de impressão e de acabamentos que coordenam gráfica e convertedor na criação de soluções exclusivas.

Hamilton Terni Costa recebeu a tarefa de evitar a famosa sesta pós-almoço. Brincadeiras à parte, o diretor da AN Consulting, diretor para América Latina da NPES, ex-presidente da ABTG e um dos criadores do curso de pós-graduação Gestão Inovadora da Empresa Gráfica na Faculdade Senai Theobaldo De Nigris, onde ministra as matérias de Gestão Estratégica e Marketing Industrial, chegou animado para falar sobre gestão da tecnologia na inovação de produtos com serviços.

Na abertura da sua apresentação, Costa convidou a todos a entrarem na era da ‘servitização’. Sim, servitização. É um termo acadêmico usado basicamente para definir como produtos e serviços podem usar plataformas diferenciadas com o objetivo de entregar soluções cada vez mais adequadas. “A quantidade de produtos ao nosso alcance é grande, por isso os produtos e serviços precisam estar encaixados com a demanda. Há uma nova era de compartilhamento de coisas, produtos e serviços. Carro compartilhado nos EUA, por exemplo, já é realidade, sendo um serviço disseminado como rastro de pólvora. A GM já apresentou serviço de Concierge dentro do carro. A ideia é usar produtos como plataformas adicionais. Isso é o processo de servitização”, considerou o palestrante.

Outro ponto apresentado por Hamilton foi como a transformação acaba sendo um processo de mudança de mentalidade: “Começa na cabeça e termina na cabeça. Mudanças de mentalidade e estrutura estão juntas. Um fabricante passa a ser provedor de serviços alterando funções de acordo com as novas necessidades. Já não dá mais para ser uma gráfica de venda transacional que pega o orçamento, precifica, concede o desconto e tenta fechar o pedido. É importante trabalhar dentro do cliente, atento ao desenvolvimento do negócio dele. A mudança radical pode ser disruptiva quando começa a mudar o setor. Consequentemente o radical pode se transformar no disruptivo.”

Hamilton aproveitou a oportunidade para provocar os participantes do congresso a se transformarem em fornecedores de serviços avançados. “Sair do ato de ser reprodutor de originais para fornecer serviços e marketing na comunicação crossmedia. É preciso repensar o negócio, desde que haja vontade para repensar. A empresa precisa ser eficiente sem deixar de estar antenada aos processos anteriores, aproximando-se assim do que chamam de impressão 4.0, a internet das coisas. Antigamente, comprávamos máquinas que duravam 20 anos. Hoje os equipamentos estão mais flexíveis, assim como as novas plataformas, que podem ser construídas para determinados mercados. O negócio é dinâmico e os movimentos não estão reservados somente para as grandes empresas”, considerou Hamilton.

Alexandre Keese entrou no palco para falar sobre impressão funcional e industrial com foco na diversificação de substratos que podem ser impressos atualmente. Keese explicou que o mercado atual demanda por mais trabalhos, porém com tiragens menores e mais personalizadas, com a indústria passando da produção em massa para a personalização em massa. O palestrante  passou ainda pelos mais diversos conceitos de impressão industrial, impressão funcional e impressão de eletrônicos, ressaltando suas características, diferenças e oportunidades, além de destacar o crescimento do mercado têxtil nos últimos tempos.

Clóvis Pires Castanho, COO da Arizona, empresa que atua em pré-media e soluções para marketing, com clientes no Brasil e América Latina, falou sobre crossmedia, pré-mídia e convergência de tecnologias. De acordo com Castanho, o pensamento estratégico é fundamental para ajudar o cliente a vender. Dentro desta visão, o conhecimento e uso de softwares têm grande importância para agilizar o fluxo de trabalho e oferecer novas possibilidades e o desenvolvimento de campanhas mais diferenciadas. O especialista trouxe uma série de informações e dados sobre a evolução do mundo digital, mostrando que o empresário que não entender a mudança vai ficar para trás. São tecnologias existentes que vêm avançando, tornando-se menores em tamanho, mais rápidas e mais baratas, ampliando o acesso à tecnologia no geral. Isto não será diferente com a impressão, que deve estar sempre integrada às revoluções tecnológicas.

Por fim, Rainer Wagner, apontou as tendências tecnológicas até 2020.  Wagner é engenheiro gráfico pela Universidade de Munique (Alemanha) e consultor técnico e especialista em estandardização e automação da produção gráfica, com clientes nos Estados Unidos e América Latina. É membro do Fogra, instituto alemão de pesquisa em impressão). Ele ressaltou que a América Latina vem fazendo muitos investimentos no segmento em equipamentos novos de impressão e acabamento. Ele fez uma passagem sobre as novidades em impressão digital, flexografia banda estreita, offset, acabamento e enobrecimento digital, 3D e outros desenvolvimentos das grandes companhias, como nanografia e softwares de web-to-print. Mesmo apresentando uma série de desenvolvimentos em equipamentos, deixou claro: “O futuro será feito por pessoas.” As apresentações das palestras poderão ser encontradas no site da ABTG: www.abtg.org.br   


O Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica foi finalizado com uma mesa-redonda. O mediador foi o diretor técnico da ABTG, Manoel Manteigas de Oliveira. Participaram da mesa Kleber Rodrigues, gerente de vendas da Kodak; Fabiano Peres, supervisor de revendas da Canon; Rogério Gomes, gerente de serviços técnicos da Hubergroup; Alexandre Dalama, diretor da Rotatek; Paulo Faria, diretor geral da KBA, e Melchior Trueeb, gerente de vendas da Müller Martini.

Dentre os vários temas tratados na mesa-redonda estiveram: sustentabilidade, a importância de diversificar o leque de produção, a dificuldade de atrair jovens talentos para o mercado gráfico, questões de sucessão nas empresas, importância da tecnologia na produção de valor, as tendências one-to-one com a impressão digital, a integração de sistemas inkjet, o cuidado com perdas de insumos, a importância da capacitação e pensamento estratégico.

Ao fim das apresentações paira no ar o desafio de levantar da cadeira em busca de desafios disruptivos. Ou será que o disruptivo é o desafio? Ainda não sabemos a resposta, mas foi um dia intenso de trabalho baseado na troca de informação do mundo gráfico. Evidentemente não é possível resolver todos os problemas ou encontrar todas as soluções em um dia. 

Sim, o Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica chegou em boa hora. 

A partida começou.     

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Suzano Papel e Celulose patrocina a 18ª Bienal do Livro Rio

A Suzano Papel e Celulose patrocinará a 18ª Bienal Internacional do Livro Rio, que acontecerá entre os dias 31 de agosto e 10 de setembro, no Riocentro.

O papel Pólen, fabricado pela empresa, será o papel oficial do evento e patrocinador exclusivo do Espaço do Café Literário, onde se reunirão grandes nomes da Literatura mundial.

Considerado o maior evento literário do Brasil, a Bienal do Livro Rio é uma celebração à leitura, à cultura e à diversão, e por isso conta com o apoio do Pólen®, uma marca que acredita nos benefícios que a leitura oferece.

Os frequentadores do Espaço do Café Literário acompanharão uma extensa programação, que envolverá desde debates com grandes nomes da literatura até ações voltadas ao público infantil. Serão abordados no espaço temas como a igualdade entre homens e mulheres e o combate ao preconceito racial; questões de gênero e os novos modelos de amor e de família; a Lava-Jato e a reforma política; entre outros.

Além disso, os frequentadores do Espaço do Café Literário e de toda a Bienal poderão interagir com atores representando personagens de clássicos da Literatura, como Capitu, de Dom Casmurro, Dom Quixote, e Visconde de Sabugosa, do Sítio do Picapau Amarelo.

Eles participarão do evento aos sábados e domingos, além do feriado do dia 7 de setembro, e distribuirão brindes Pólen aos participantes que interagirem com as redes sociais da marca. A ação é uma parceria com a Campanha LEIA, SEJA, do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel).

Prêmio Pólen de Literatura

No dia 10 de setembro, último dia da Bienal do Livro Rio, a programação contará com o anúncio do vencedor do Prêmio Pólen® de Literatura. Lançada em maio passado, a iniciativa tem como objetivo incentivar a leitura, a literatura brasileira e apoiar a descoberta de novos escritores. O resultado foi a inscrição de mais de 200 textos nunca publicados por editoras.

A lista dos cinco finalistas reúne duas obras de suspense, dois romances e uma história policial, assinados por Daniel Flint, Nícolas Martinelli, Ana A. Junqueira, Vinícios Belaprape e Villa Marie* (pseudônimos). O vencedor receberá um prêmio de R$ 10 mil, além de ter sua obra impressa pela Arqueiro. A escolha foi feita por um comitê de especialistas, incluindo Leonardo Cazes, repórter do jornal O Globo, e Alessandra Ruiz e Pascoal Soto, editores da Editora Sextante.

Para saber mais sobre o prêmio e sobre o Pólen®, siga a página @papelpolenoficial no Instagram, o Papel Pólen® no Facebook e o site do Papel Pólen® no 
www.papelpolen.com.br.


Mais detalhes sobre a Bienal do Livro Rio estão no www.bienaldolivro.com.br.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Sun Chemical adquire a Joules Angstrom U.V. Printing Inks Corp.

A Sun Chemical adquiriu a Joules Angstrom U.V. Printing Inks Corp., fabricante de tintas de impressão UV para convertedores nos mercados de impressão comercial, embalagem e especialidades.

Ao combinar o portfólio de produtos da companhia, sedeada em Ohio, com a gama de recursos globais da Sun Chemical, os clientes serão beneficiados pela sinergia entre as duas empresas.

“Essa parceria dará para a Sun Chemical e para a Joules Angstrom inúmeras oportunidades para oferecer aos clientes uma expansão na linha de produtos e serviços”, disse Charles Murray, Presidente da Divisão de Tintas da América do Norte, da Sun Chemical.

“Joules Angstrom é uma empresa construída sobre a excelência técnica e satisfação do cliente, e pretendemos trabalhar em conjunto para fornecer aos clientes soluções de tinta de impressão UV mais interessantes e inovadoras”, avalia Murray.  


"Juntar-se à Sun Chemical trará aos nossos clientes inúmeras oportunidades de crescimento, ao mesmo tempo em que nos permite manter as operações atuais para atender às suas necessidades. Estamos entusiasmados por participar de uma organização global com valores voltados para a qualidade, o serviço e a inovação", disse Patrick Carlisle, Presidente da Joules Angstrom.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

RECOPI NACIONAL conclui adesão de todas as Unidades da Federação

Próximo passo é a regulamentação nos estados do Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Sul, Roraima e Tocantins

O RECOPI Nacional - Sistema de Registro e Controle das Operações com o Papel Imune Nacional - deu um grande passo no combate aos crimes de evasão fiscal, com a confirmação da adesão do estado de Roraima às disposições do Convênio ICMS nº 48/2013, que disciplina o credenciamento do contribuinte que realiza operações com papel destinado à impressão de livro, jornal ou periódico. A adesão do estado da região Norte era a última que restava para que todas as 27 Unidades Federativas fossem signatárias do Convênio.

“A conclusão do processo de adesão no Brasil é um grande marco no combate do desvio de finalidade do Papel Imune, porém, para que esta ferramenta ganhe efetividade no combate à irregularidade, é fundamental que os governos estaduais regulamentem os processos, editando os decretos que recepcionarão estas regras”, comenta Elizabeth de Carvalhaes, presidente executiva da Ibá. Além de Roraima, que aderiu ao convênio recentemente, outros sete estados ainda não regulamentaram o sistema: Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Sul e Tocantins.


O Papel Imune 

Amparado pelo Artigo 150 da Constituição Federal - que veda instituir imposto sobre livros, jornais, periódicos e ao papel destinado a sua impressão -, o chamado Papel Imune tem o objetivo de ampliar o acesso à cultura e garantir a liberdade da manifestação de pensamento e o fortalecimento da educação. 

A imunidade tributária, que inclui isenção de impostos como o IPI, PIS/Cofins, ICMS e o Imposto de Importação, representa, em média, uma diferença de até 36% da carga tributária, quando comparada aos tributos pagos pelo papel comercial. Porém, este benefício estimula ações ilegais de desvio de finalidade do papel imune, sendo utilizado de forma irregular por alguns agentes que o adquirem para supostamente produzirem livros e periódicos, mas que usam o material para outro fim. Isso faz com que não recaia sobre essas operações a incidência dos impostos, resultando em crimes de evasão fiscal e causando sérios prejuízos aos cofres públicos e a toda cadeia produtiva do papel, cumpridora de suas obrigações fiscais e sociais. 

A própria Receita Federal decretou, para este ano, o desvio de finalidade do papel imune como um dos principais alvos de fiscalização, o que é extremamente importante para o combate a esse crime contra a ordem tributária.